O prefeito de Catalão, Jardel Sebba, usou os microfones da Rádio Cultura de Catalão no Programa Catalão Verdade para desabafar sobre as ameaças feitas pelo atual presidente da Câmara de Vereadores de Catalão.

Jardel disse que irá entrar com uma representação contra o atual presidente e que toda sua família e amigos ficaram muito preocupados com as ameaças. O prefeito ainda disse que a partir de hoje, se algo acontecer com ele, o principal suspeito é o presidente da Câmara, Deusmar Barbosa.
Ouça a entrevista do prefeito Jardel concedida na manhã desta quarta-feira (26), na Rádio Cultura para os repórteres Marcos Marçal e Guilherme.

Prefeito de Catalão, Jardel Sebba (PSDB), rebate presidente da Câmara de Vereadores de Catalão, após a divulgação de vídeo nas redes sociais, onde Deusmar Barbosa ameaça matar o prefeito.

Está rolando nas redes sociais, um áudio  com a declaração do presidente da Câmara de Vereadores de Catalão, Deusmar Barbosa, afirmando que irá matar o prefeito de Catalão, Jardel Sebba, com um tiro na cabeça.  O prefeito teve acesso a esse áudio  e ficou bastante preocupado com a situação, em seu perfil do twitter declarou que as ameaças de morte do presidente da Câmara foi clara, Jardel afirmou que tomará todas a medidas legais possíveis.  O Blog Diante do Fato não sabe informar se esse áudio  foi autorizada pela justiça, mas ficou nítida a ameaça. É um fato preocupante, a voz de Deusmar está clara.

Veja o Áudio  que esta rolando na internet: 

 

Nesta terça-feira (25), o prefeito usou seu twitter para desabafar sobre o caso, veja os twitters do prefeito de Catalão, Jardel Sebba, sobre o fato.

hehehheehheeee

Mulher é morta com sete facadas em Davinópolis na tarde desta terça-feira (25)

Na tarde desta terça-feira (25), por volta das 16hs, aconteceu um crime bárbaro que chocou os moradores de Davinópolis, que fica aproximadamente 55 quilômetros de Catalão.  Marlene Gomes de 57 anos foi morta com sete golpes de faca. O suspeito de ter deferido os golpes fugiu do local, mas depois de várias diligências na cidade, a PM prendeu um indivíduo. Ele é suspeito de ter tirado a vida de Marlene com duas facadas no abdômen, quatro no tórax e uma no pescoço. A vítima foi encontrada morta pelo marido, ela estava deitada no sofá de sua residência, localizada na Rua Aderlado Pinto, no Centro de Davinópolis.  A policia teve muito trabalho para prender o suspeito. Filhos, familiares da vítima e a população da cidade ficaram revoltados com o ocorrido e queriam linchar o suspeito.  Varias viaturas de polícia de Catalão deslocaram para Davinópolis. O suspeito será transferido para delegacia de polícia de Catalão onde será ouvido pelo delegado de plantão para que todas as providências sejam tomadas.  O IML esteve no local, realizou a perícia e encaminhou o corpo de Marlene Gomes para o Instituto Medico Legal de Catalão. Em breve traremos mais detalhes deste triste fato.

10822264_743991212355624_839141703_n10678784_1467645540185716_7694343197129106210_n                                                                                                   Marlene Gomes de 57 anos



Grave acidente na Br 050 envolvendo três veículos deixa uma vítima fatal.

Aconteceu na manhã desta terça-feira (25), por volta das 11:30 um grave acidente na BR 050, Km 314, próximo ao trevo que dá acesso a cidade de Cumari. Três veículos se envolveram nesse acidente, sendo um VW Gol, um carro forte e uma carreta. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Gol – placa de São Bernardo do Campo – SP- estava no sentido Catalão/Araguari e o carro forte no sentido contrário. O Gol invadiu a pista e colidiu frontalmente com o carro forte da empresa Rodobam. A carreta que vinha logo atrás freou e rodou na pista. O motorista da carreta e os ocupantes do carro forte nada sofreram. O motorista do Gol, Pedro Luiz Marchete, de 55 anos, ficou preso nas ferragens e morreu no local. De acordo com a PRF, chovia muito no momento do acidente. Testemunhas disseram que não sabem precisar se o condutor tentou fazer uma ultrapassagem ou se o carro aquaplanou. A vítima seguia viagem de Brasília (DF) para São Paulo.O IML foi acionado para as providências cabíveis. Como a carreta rodou na pista e fez um L, muito óleo foi jogado na pista, por isso, a Polícia Rodoviária esteve no local fazendo a segurança de tráfego. O GPT também participou da ocorrência resguardando o carro forte. Funcionários da concessionária  MGO que administra a rodovia tiveram  muito trabalho para limpar o óleo que ficou espalhado na pista. A estrada ficou interditada por cerca de duas  horas. 

Fotos : Thiago Ferreira da Silva\ Blog Diante do Fato





_DSC0442_DSC0424_DSC0402_DSC044910815855_10205475768677394_1697836830_n


“Não sou um monstro” disse Raquel Policena em entrevista ao Jornal O popular

Escrito por: O popular

image

“Raquel Policena, durante entrevista ao Popular: “Procedimento estético, nunca mais” (Foto Ricardo Rafael/Jornal O popular

Foram 12 dias desde que ela foi detida, na tarde de 13 de novembro, até por volta das 16 horas de ontem, quando a prisão foi revogada pela Poder Judiciário. No escritório do advogado Ricardo Naves, no Setor Sul, onde conversou por mais de 30 minutos com o POPULAR, logo após ter deixado a cela do 14º Distrito Policial (DP), na Vila Pedroso, Raquel Policena Rosa, de 27 anos, afirmou estar arrependida dos procedimentos estéticos realizados em Catalão e Goiânia, que resultaram em indiciamento por homicídio com dolo eventual – entre três outros crimes – no inquérito sobre a morte da auxiliar de leilões Maria José Medrado de Souza Brandão, de 39 anos, há exato um mês.

O tempo na cadeia e a enorme repercussão do caso, contudo, não abalaram a vaidade da jovem, que preocupou-se durante a entrevista em apresentar-se bem para as fotos e não negou ter se submetido, ela própria, a aplicações para preenchimento dos glúteos para sentir-se mais bonita. “Que mulher não quer um bumbum bonito e durinho? Ah, eu sou vaidosa, sim, e fiz essa mesma aplicação em mim, por duas vezes. Se quiser, posso mostrar como ficou e você vai ver a marca do furinho, que ainda está aí”, sugeriu, referindo-se aos resultados, nela mesma, do mesmo produto que ela garante ter aplicado em Maria José. “Se eu soubesse que faria mal, que poderia matar, você acha que eu teria aplicado em mim, e duas vezes?”, argumentou.

A reportagem conferiu. Depois da longa conversa, já na hora da despedida, ali mesmo, na sala de reuniões, na presença – mas não na frente – do advogado Tadeu Bastos Roriz e do fotógrafo Ricardo Rafael. Raquel ergueu a parte de trás do vestido preto curto e mostrou o bumbum: “Aperta para ver como ficou durinho… Não está bonito?”, perguntou, orgulhosa, emendando que não teria feito o procedimento em suas clientes sem antes experimentá-lo em si mesma e se certificar do resultado final. “Já propusemos fazer uma análise do produto que apliquei aqui e do que apliquei na Maria José. É o mesmo; tudo igual. Eu não tive a intenção de matá-la, não sou esse monstro que estão dizendo que eu sou”, desabafou, ao lembrar o pedido dos advogados que a representam para que conste do processo um laudo técnico de comparação entre as duas substâncias.

Apesar dos mais de dez dias na cadeia, Raquel estava arrumada – embora tenha feito questão de chamar a atenção para o quanto estava abatida. Sem maquiagem – o que a incomodava um pouco -, o rosto ostentava óculos de grau de grife, da marca Vogue. Os cabelos, compridos, amarrados em um rabo de cavalo, não tinham mais o aplique “para dar volume” – a jovem informou tê-lo doado para pacientes com câncer. As unhas das mãos, curtas, estavam bem feitas, pintadas com um esmalte claro, cobertos com um toque de glitter. Nos pés – também esmaltados -, uma sandália rasteira com pedras, compondo com o pretinho nem tão básico assim – com detalhe em tule transparente nas costas e no decote -, curto, deixando à mostra as pernas torneadas.

“CIRCO”

“Isso tudo virou um circo! Minha vida deu uma reviravolta enorme, eu estou sofrendo, minha família está sofrendo. Tenho um sobrinho que me tem como mãe; ele está sendo apontado na escola. Dizem: ‘Sua tia matou uma mulher’. Não sou uma assassina, não sou um monstro ”, repetiu Raquel Rosa. “Por que não mostram a Raquel que eu sou de verdade?”, lamentou a jovem, que, do escritório dos advogados, em Goiânia, seguiu, por volta das 18h30, para Catalão, cidade onde vive e é bastante conhecida, distante cerca de 250 quilômetros da capital. “Só quero estar com a minha família, na minha casa. Se eu pudesse voltar no tempo, teria feito tudo diferente.”

Daqui para a frente, Raquel garante que não quer mais atuar na área da estética – para a qual diz ter formação em cursos livres. Também não deve retomar a venda de semi-jóias que fazia antes. “Procedimentos estéticos, nunca mais! Quero voltar para o meu curso de Arquitetura e Urbanismo (abandonado depois de concluir o primeiro período, em Uberlândia) e seguir com a minha vida”, sublinha, dizendo estar ciente das acusações que pesam sobre ela, mas ter “fé em Deus” para enfrentar tudo.

O rosto da jovem se ilumina quando perguntada a respeito do relacionamento com o professor de línguas Fábio Justiniano Ribeiro, de 33 anos, também indiciado no inquérito sobre a morte de Maria José.